A importância da lição de casa

“Putz, esqueci!”

“Desculpa, teacher. Não tive tempo essa semana.”

“Nossa, nem lembrei!”

Estas e outras são desculpas usadas por alguns alunos com frequência para não fazer a lição de casa. Bom, existem milhares de motivos para um aluno não fazer a lição de casa, mas este post não é para professores, e sim, alunos. Nós, professores, sabemos quando a lição não foi feita por falta de tempo ou problemas pessoais e quando são desculpas reais.

Infelizmente, existe a ideia de que lição de casa equivale a horas estudando livros de gramática e é algo chato. Mas não é bem assim ou pelo menos não deveria ser.

Vamos analisar a nossa realidade do ensino de língua estrangeira no Brasil. Não vivemos em um país em que a língua inglesa é a segunda língua ou é usada em alguns contextos específicos. Neste caso, sabemos que não há nenhum momento em que se possa praticar o inglês além do contexto “sala de aula” ou em alguns casos no ambiente corporativo, mas não em todos os momentos.

Levando também em conta a realidade das pessoas que buscam aprender uma outra língua, são em sua maioria pessoas que precisam fazer uma entrevista de emprego ou aprender inglês por ser um requisito de uma empresa X, e em muitos casos há pouco tempo de dedicação para ‘estudar’ inglês.

Como já disse antes aqui, todos querem aprender inglês. Porém, poucos realmente se esforçam. O que quero dizer com isso? Como em nosso país não falamos inglês temos que correr atrás do prejuízo se o nosso objetivo for aprender essa ou outras línguas.

Pense o seguinte: nascemos e desde pequenos temos contato com a nossa língua materna através dos pais, familiares, colegas etc. Por volta dos 8-10 anos, já temos um ótimo domínio da língua. Porém, uma criança com apenas 8 anos sabe todas as regras gramaticais da língua? Sabe explicar por que fala ‘assim’ e não ‘assado’ ? Com certeza não. Mas sabe falar! Caso queiram saber mais sobre a gramática universal, teoria de Chomsky, assistam um vídeo explicativo clicando aqui.

Isso não significa que temos que aprender inglês ou outras línguas dessa mesma forma, mas antes de falarmos, temos que ouvir!

Voltando ao assunto lição de casa. O que é isso? Apenas um nome criado para uma tarefa em que o professor precisa ter certeza que seu aluno irá ter contato com o idioma enquanto não estiver em aula. Seja para rever um tópico já apresentado ou ver um vídeo, ouvir uma entrevista, etc. Qual o objetivo disso? Fazer com o que o aluno tenha mais contato com a língua.

Quando temos muito contato com a língua, seja através de filmes, legendas, músicas, séries ou notícias, estamos nos acostumando com a língua. Por experiência própria, aprendi muitas frases fixas da língua inglesa como “Sure“, “Of course“, “Are you kidding me?” entre outras, apenas através de filmes e associações.

Ou seja, aprendemos muito fora das aulas. Por outro lado, algumas pessoas acreditam que o inglês é um produto ao dizer ao professor: “Preciso do inglês para daqui dois meses, pode ser?”, como se o inglês fosse um produto. Todo processo de aprendizagem depende de vários fatores tais como: tempo de dedicação, idade, objetivos, número de aulas por semana e interesse. Me desculpem, mas não existe milagre ou receita pronta para isso.

Para concluir: já que não vivemos em um lugar onde se aprende inglês e pode-se praticá-lo em situações cotidianas, pratiquem da melhor forma: assistam vídeos, leiam notícias, usem aplicativos, conversem com pessoas de outros países, mas façam algo. As lições de casa são para vocês, alunos, e não para o professor.

Remember that practice makes perfect!

Cheers!

Dica: Aplicativos para aprender inglês

Hey!

Já fiz um post sobre sites para aprender inglês (que terá a parte 2), mas hoje vou falar brevemente sobre alguns aplicativos interessantes para que se possa aprender, revisar e ter sempre contato com a língua inglesa. Vale lembrar que neste post vou descrever os aplicativos brevemente e irei detalhar alguns em posts futuros.

  1. Duo Lingo

Acredito que este seja um dos aplicativos mais conhecidos. É um aplicativo dinâmico mas ao mesmo tempo tem foco em repetição: ouvir e repetir, ler e escolher a tradução, ler e escrever a tradução etc. Por conta disso, torna-se um pouco cansativo porém com a repetição, estruturas e vocabulário serão memorizados rapidamente. Conforme você passa de níveis, os novos tópicos a serem estudados são desbloqueados. Você também tem a opção de escolher uma meta por dia: quanto tempo pretende estudar inglês. E no caso de já ter um bom conhecimento na língua é possível “pegar atalhos” e começar as atividades mais avançadas.

2. Lingua Leo 

O Lingua Leo tem a mesma função do aplicativo acima, porém tem uma interface um pouco diferente. Você pode escolher os tópicos que quiser aprender, ler textos de diferentes níveis, ver a tradução de palavras desconhecidas e adicioná-las a um dicionário seu. Como o Duo Lingo, este aplicativo também faz muito uso de imagens e associações. Alguns items são disponíveis apenas para quem usa a versão paga, que vale super a pena. Na seção “Vocabulário” existem vários assuntos, até sobre áreas como TI, Medicina e Finanças além dos mais comuns como Profissões, Animais etc.

3. Hello Talk

Assim como no site Interpals, o Hello Talk foi criado com a mesma função. Hoje em dia é muito mais prático enviar mensagens instantâneas por meio de aplicativos pelo celular em vez do computador. Você deve selecionar sua língua nativa, a(s) língua(s) em que é fluente e quais línguas quer aprender. Desta forma, você encontra contatos com perfis similares e assim podem conversar por mensagem de texto ou voz e praticar, aprender ou ensinar línguas.

Espero que este post tenha sido útil.

Cheers!