Em quanto tempo é possível ficar fluente?

Olá, pessoal!

Decidi fazer este post para esclarecer algumas coisas e responder a pergunta do título do post porque ouço sempre essa pergunta, então vou deixar aqui a minha opinião como professora.

1)Isso depende de você!
Não existe tempo certo! Aprender uma língua não é como uma mágica em que você decide que no ano X, dia X você (milagrosamente) estará fluente. Não achem que um curso de 3 meses, 1 ano ou 3 anos pode garantir a fluência, as coisas não funcionam assim.
Se você quer ser fluente em uma língua, saiba que é um processo longo e que o curso que você fizer ou  o professor que você contratar são apenas guias e vão te orientar, mas não podem estar o tempo todo com você para ter certeza de que você irá ‘estudar’ sozinho.Não basta ir nas aulas 1 ou 2 vezes na semana e só ter contato com a língua nesses dias. Se você quer realmente melhorar o seu inglês, se esforce.

Não há segredo, apenas estude, se esforce e se comprometa: hoje com a internet há milhares e milhares de formas de ter contato com o inglês e estudar sozinho online, com sites, vídeos, podcasts, músicas, filmes entre outros. Então foque no seu aprendizado e aproveite todas as situações possíveis para praticar, ouvir e ler inglês e pare de se preocupar com ‘quando’ irá ser fluente na língua.

2) O que significa ser fluente?
Muitas pessoas tem essa ideia de que ser fluente significa saber todas as palavras em inglês, ler ou ouvir algo e entender tudo (todas as palavras) e ter uma pronúncia native-like, idêntica a de pessoas nativas da sua língua-alvo.

Isso não é verdade, principalmente nos dias atuais, em que o inglês, por exemplo, é uma língua franca e não existe mais essa ideia de que a pronúncia deve ser americana ou britânica, até porque há vários outros países em que o inglês é língua oficial ou segunda língua e a pronúncia ou sotaque tem características particulares de acordo com a sua região.

A ideia de ser fluente, é na verdade, saber comunicar-se. Quando falamos sobre accuracy (precisão), aí sim devemos prestar atenção nas regras gramaticais etc, porém, se até mesmo os nativos cometem erros, por que não podemos também?

3) Quando vou terminar esse livro?
Parem e pensem: ‘terminar’ um livro nas aulas significa que você teve tempo para internalizar todas essas informações e se tornar fluente? Quando você utiliza um livro, é para estudar, fazer exercícios, ouvir, ler, praticar e revisar. É óbvio que, conforme você aprende certos conteúdos, vai mudando de livro para outros mais avançados, mas não achem que essa ideia de ‘preciso terminar esse livro logo para ir para o outro e ficar fluente logo’ é certo. Como eu já disse, tudo depende do aluno e não do livro.

4)Não encontro um curso legal e não tenho tempo e nem dinheiro para começar um curso bom.

Como já comentado aqui, existem milhares de sites, vídeos e aulas online, tudo gratuito! basta procurar, se organizar e estudar e aqui no blog tem alguns posts de sites e aplicativos legais para aprender inglês.

Dicas extras:

  • Crie grupos no whatsapp com pessoas do seu trabalho, amigos ou até mesmo pessoas que precisam praticar inglês: desta forma cada um pode contribuir com links e sites interessantes;
  • Procure vídeo aulas no Youtube: faça um cronograma e assista 1 vídeo por dia;
  • Use aplicativos: todo mundo tem 10 minutos no dia pra utilizar algum app, seja para conversar com nativos e/ou pessoas que falam inglês ou para fazer exercícios, por exemplo;
  • Use e abuse da internet: assista um episódio por semana de uma série que você goste com áudio em inglês e legenda em português ou escolha um tema que você gosta e procure vídeos, como por exemplo: maquiagem, esportes, receitas, exercícios físicos, trailers etc;
  • Ouça músicas: não tem desculpa, ouça no carro, no ônibus, em casa ou até no banho rs!

Espero que as minhas dicas tenham ajudado.

Good luck!

 

Anúncios

Como escolher o melhor curso de inglês?

i4

Olá!

Todos que me procuram hoje sempre fazem essas perguntas sobre como escolher o melhor curso, qual é o melhor curso e em quanto tempo cada um irá aprender inglês. Já fiz o post sobre Dicas para iniciantes mas neste post irei dar mais algumas informações que não falei sobre antes. Primeira pergunta, PARA QUÊ você precisa aprender inglês?
Trabalho? Novas oportunidades? Viagens? Hobby? Namoro? Mudança de país?
Tudo isso deve ser levado em conta.

  • QUAL o melhor curso?
    Sinto dizer, mas não há o melhor curso. Isso depende dos seus objetivos. Se você precisa aprender rápido por conta do trabalho, irá escolher uma escola de idiomas em que os cursos tenham menor duração, ou então se você já fez algum curso em uma escola e gostou da metodologia ou então sabe que na escola X há alguns recursos que não colaboram no seu aprendizado, etc, tudo isso irá influenciar a escola que irá escolher. O importante é ir até várias escolas e entender como as aulas funcionam e se possível assistir uma aula experimental ou conversar com pessoas que fizeram ou fazem o mesmo curso.
  • Em QUANTO TEMPO vou ser fluente?
    Mas, o que é ser fluente? Muitas pessoas acreditam que ser fluente é saber falar tudo, usar todos os tempos verbais corretamente (sendo que nem os próprios nativos fazem isso) e falar rápido. Enquanto isso, muitos estudiosos afirmam que ser fluente em uma língua é saber se comunicar, independente de erros gramaticais. É obvio que, com o tempo e os erros, aprendemos mais e nos corrigimos.
    Voltando a pergunta, para saber em ‘quanto tempo’ você irá falar inglês vai depender de:
    1)Você gosta de inglês?
    2)Quantas aulas por semana você faz? Se dedica bastante? Aproveita as aulas e tira dúvidas quando necessário? Se arrisca a falar mesmo se estiver inseguro?
    3)Você se dedica no inglês fora das aulas? Faz as lições de casa?
    4)Além das aulas, você tem contato com inglês? ouve músicas? assisti filmes/séries? usa aplicativos para aprender a língua? conversa com pessoas que falam a língua que você está aprendendo? utiliza o inglês no trabalho? se força a ouvir e ler coisas em inglês? assiste vídeos na internet sobre assuntos que gosta?
    5)Você tem consciência de que aprender uma língua é um processo e que como qualquer tipo de aprendizado leva um tempo? Sabe que esse processo depende mais de você do que da escola/curso que faz?Se a maioria das respostas é sim, você está no caminho certo. Caso contrário repense o que você realmente quer, pois aprender uma língua é aprender uma nova cultura, uma nova forma de pensar e não simplesmente regras gramaticais.

Espero que tenha ajudado!

Cheers!

A importância da lição de casa

“Putz, esqueci!”

“Desculpa, teacher. Não tive tempo essa semana.”

“Nossa, nem lembrei!”

Estas e outras são desculpas usadas por alguns alunos com frequência para não fazer a lição de casa. Bom, existem milhares de motivos para um aluno não fazer a lição de casa, mas este post não é para professores, e sim, alunos. Nós, professores, sabemos quando a lição não foi feita por falta de tempo ou problemas pessoais e quando são desculpas reais.

Infelizmente, existe a ideia de que lição de casa equivale a horas estudando livros de gramática e é algo chato. Mas não é bem assim ou pelo menos não deveria ser.

Vamos analisar a nossa realidade do ensino de língua estrangeira no Brasil. Não vivemos em um país em que a língua inglesa é a segunda língua ou é usada em alguns contextos específicos. Neste caso, sabemos que não há nenhum momento em que se possa praticar o inglês além do contexto “sala de aula” ou em alguns casos no ambiente corporativo, mas não em todos os momentos.

Levando também em conta a realidade das pessoas que buscam aprender uma outra língua, são em sua maioria pessoas que precisam fazer uma entrevista de emprego ou aprender inglês por ser um requisito de uma empresa X, e em muitos casos há pouco tempo de dedicação para ‘estudar’ inglês.

Como já disse antes aqui, todos querem aprender inglês. Porém, poucos realmente se esforçam. O que quero dizer com isso? Como em nosso país não falamos inglês temos que correr atrás do prejuízo se o nosso objetivo for aprender essa ou outras línguas.

Pense o seguinte: nascemos e desde pequenos temos contato com a nossa língua materna através dos pais, familiares, colegas etc. Por volta dos 8-10 anos, já temos um ótimo domínio da língua. Porém, uma criança com apenas 8 anos sabe todas as regras gramaticais da língua? Sabe explicar por que fala ‘assim’ e não ‘assado’ ? Com certeza não. Mas sabe falar! Caso queiram saber mais sobre a gramática universal, teoria de Chomsky, assistam um vídeo explicativo clicando aqui.

Isso não significa que temos que aprender inglês ou outras línguas dessa mesma forma, mas antes de falarmos, temos que ouvir!

Voltando ao assunto lição de casa. O que é isso? Apenas um nome criado para uma tarefa em que o professor precisa ter certeza que seu aluno irá ter contato com o idioma enquanto não estiver em aula. Seja para rever um tópico já apresentado ou ver um vídeo, ouvir uma entrevista, etc. Qual o objetivo disso? Fazer com o que o aluno tenha mais contato com a língua.

Quando temos muito contato com a língua, seja através de filmes, legendas, músicas, séries ou notícias, estamos nos acostumando com a língua. Por experiência própria, aprendi muitas frases fixas da língua inglesa como “Sure“, “Of course“, “Are you kidding me?” entre outras, apenas através de filmes e associações.

Ou seja, aprendemos muito fora das aulas. Por outro lado, algumas pessoas acreditam que o inglês é um produto ao dizer ao professor: “Preciso do inglês para daqui dois meses, pode ser?”, como se o inglês fosse um produto. Todo processo de aprendizagem depende de vários fatores tais como: tempo de dedicação, idade, objetivos, número de aulas por semana e interesse. Me desculpem, mas não existe milagre ou receita pronta para isso.

Para concluir: já que não vivemos em um lugar onde se aprende inglês e pode-se praticá-lo em situações cotidianas, pratiquem da melhor forma: assistam vídeos, leiam notícias, usem aplicativos, conversem com pessoas de outros países, mas façam algo. As lições de casa são para vocês, alunos, e não para o professor.

Remember that practice makes perfect!

Cheers!

Dica: sites para estudar inglês sozinho! (parte 1)

Hey!

Hoje irei mostrar alguns sites que são ótimos para aprender/ estudar inglês sozinho. Caso você, aluno, tenha um professor para ter uma orientação, será melhor ainda. De qualquer forma irei deixar uma breve explicação de como cada site funciona e como usá-los da melhor forma. Mas lembrem-se: nenhum site ou exercício é suficiente para aprender inglês ‘mais rápido’. Isso só acontece de acordo com o esforço de cada um.

WomanLaptop

  • English Experts
    É um dos melhores sites na minha opinião para quem estuda por conta própria. Você pode se cadastrar e interagir no fórum compartilhando informações ou tirando dúvidas. Além disso, sabe aquelas expressões ou frases prontas em inglês que não sabemos? Muitas vezes é fácil de encontrá-las neste site.
  • Tecla Sap
    Este site é muito parecido com o acima. Um ponto muito interessante é que sempre há posts relacionados a dúvidas como por exemplo: “Qual a diferença entre x e y?” entre outros tópicos interessantes. Também há e-books e um item interessante chamando ‘textos mastigados’ que é legal para aprender novo vocabulário.
  • Ted
    Este site não é necessariamente sobre aprender inglês porém existem milhares de palestras em vídeos sobre diversos assuntos. É possível praticar listening, ler o transcript, lidar com língua real, usada no dia a dia e também é possível fazer o download tanto do vídeo quanto apenas do áudio. Dica: baixar os áudios e ouvir no celular ou no carro é uma forma de ouvir inglês diariamente.
  • News In Levels
    Utilizo muito este site com os meus alunos. É um site de notícias para pessoas que estão aprendendo inglês e portanto as notícias são adaptadas em três níveis, sendo o último nível o texto/áudio original. Existem várias maneiras de utilizar o site e abaixo de cada notícia há algumas instruções tanto para professores quanto para pessoas que estudam inglês sem a ajuda de um professor.
  • Simple English News
    Parecido com o site acima, porém as notícias não são divididas por níveis e sim por temas. São bem interessantes e em sua maioria são curtas e algumas contém áudio e lista de vocabulário com definições em inglês. Existem mais alguns outros recursos porém ainda não verifiquei tudo. Mesmo para aqueles que não gostam muito de ler, vale a pena tentar, a linguagem é fácil mas ao mesmo tempo é relevante e não custa nada ler um pequeno texto no horário de almoço ou quando não há nada para fazer, não é mesmo?
  • Breaking News English
    Assim como os dois sites anteriores, este site contém notícias em mais de três níveis, áudio e vários exercícios, desde os gramaticais até os mais comunicativos. É uma ótima opção para professores que querem usar textos autênticos em suas aulas. O aluno pode imprimir e fazer os exercícios aos poucos.

Espero que as dicas sem úteis e logo trarei mais sites interessantes no aprendizado do inglês.

Até mais!

Dicas para iniciantes

Olá!

Acho que este post será um dos mais importantes do blog em que falarei sobre alguns passos para que os alunos consigam atingir seus objetivos. Atuando como professora de inglês há pouco mais de quatro anos em escolas de idiomas e aulas particulares, além do conhecimento da área por conta da minha graduação e pós-graduação, sempre vejo os alunos com os mesmos objetivos, porém às vezes não sabem qual caminho seguir para conseguir falar inglês. Vamos lá!

  1. Por que quero aprender inglês? Qual o meu objetivo com isso?
    Estas são as primeiras perguntas que qualquer um deve se fazer. Deve ser analisado se você realmente quer, gosta, ou precisa. Na maioria das vezes, é pura necessidade, principalmente para o trabalho. Se querem uma posição melhor ou um salário melhor, é necessário saber falar inglês e outras línguas também. O problema dessa ‘obrigação’ é que o aluno muitas vezes se sente pressionado, pois se não conseguir falar inglês em um curto prazo, poderá perder várias oportunidades de trabalho.Como vou alcançar o meu objetivo?
  2. Analise. Procure se informar sobre cursos, métodos e escolas em que você se daria bem para atingir o seu objetivo. Não pense que, caso você não saiba se comunicar em inglês, irá conseguir fazê-lo com uma viagem de intercâmbio. Você pode até se virar, mas pense bem: você quer se virar para sempre ou quer saber se comunicar bem? Saber se comunicar não significa saber todas as palavras em inglês, não mesmo. Estude primeiro, depois mude de curso se for necessário, pratique, converse com estrangeiros, escreva emails, mas continue praticando.
  3. Practice makes perfect / A prática leva à perfeição
    Pratique tudo o que aprender: escreva palavras novas em um caderno ou documento no computador; use as palavras, frases e expressões novas; faça um diário online contando sobre suas experiências diárias em inglês; utilize sites para fazer exercícios; converse com estrangeiros pela internet; veja vídeos no Youtube para praticar o listening etc. Há milhares de formas de praticar inglês. Algumas pessoas acreditam erroneamente que estudar inglês significa abrir uma gramática e ler, ou coisa do tipo. Não necessariamente. Una o útil ao agradável: ouça rádio/música em inglês, veja filmes que gosta, entrevistas, programas de TV, etc.
    Dica: clique aqui para conhecer uma rede social para praticar qualquer língua.
  4. Paciência
    Aprender qualquer língua ou atividade nova é um processo e são necessários tempo, paciência, esforço e muita prática. Não pense que existe receita pronta para isso, não existe.
  5. Mudanças
    Faça pequenas mudanças para que tenha mais contato com a língua que está aprendendo. Veja filmes, seriados, ouça música, rádio, mude a legenda do filme, evite assistir filmes dublados; mude as configurações do computador e celular etc.
  6. Mente positiva
    Se você odeia inglês e precisa aprender, estude e tente. Se você odeia inglês e não quer aprender, tente mudar a sua mente! Muitos não querem aprender o idioma e dizem que o odeiam porque simplesmente tem medo de tentar e não conseguir. Pense em algo que você achou que não ia conseguir, mas depois de muito esforço, conseguiu. E então?! Dê uma chance e tire a ideia de que ‘é muito difícil pra mim’ da sua cabeça. Além disso, com a menta negativa em uma sala de aula, você poderá desmotivar a aula, o professor e os outros que estão participando da aula.
  7. Cultura
    Saiba que a língua não são apenas palavras soltas mas tem grande relação com aspectos culturais do país, história, região etc. Portanto, pensar em língua como uma cultura é uma forma de evitar com que se tente traduzir expressões e frases prontas e não te coloque em situações constrangedoras.

Bom pessoal, essas são as dicas de hoje.

Um abraço e até breve!